Cuidado com o Formol

30/11/2009 02:29

O Formol

A escova progressiva à base de formol, ou formaldeído há alguns anos tomou conta dos salões de beleza. Com ela, fabricantes, cabeleireiros e consumidores acreditaram ter alcançado a fonte do liso eterno.

Só que a realidade é outra. Para começar o "formol" não é uma substância alisante e sim um conservante e desinfetante. Porém, adicionado a produtos capilares e potencializado pelo calor do brushing e da chapinha, promove um efeito liso. Na verdade, ele simplesmente "encapa" os fios e confere um brilho que dá a falsa impressão de que estão hidratados.

Mas, durante o processo de aplicação, a fibra capilar perde toda água ressecando, além das proteínas essenciais à sua vitalidade.

Assim, o cabelo torna-se tão rígido e fragilizado que o simples pentear leva à quebra. Os prejuízos continuam. Existem outros bem mais graves, que afetam clientes e, principalmente, profissionais. Por ser volátil, a substância altamente tóxica é facilmente aspirada e chega aos pulmões, o que pode provocar pneumonia química, além de doenças como leucopenia (diminuição dos glóbulos brancos no sangue, responsáveis pelas defesas do organismo) e propensão ao câncer, entre outras.

A Lei

Desde 17 de Junho de 2009 o Ministério da Saúde proibiu a sua comercialização em drogarias, farmácias, supermercados, empórios, lojas de conveniência e drugstore. A proibição porém, não é à toa. Segundo a ANVISA, as queixas de danos causados por fórmulas de alisamento triplicaram no primeiro semestre, em comparação a todo o ano de 2008. E, na maioria dos casos, há suspeitas do uso do formol. Para quem descumprir a resolução, a pena pode variar da interdição do estabelecimento à cadeia.

—————

Voltar